sexta-feira, 20 de maio de 2016

Teatro Luiz Mendonça recebe Espetáculo “Cárcere”

Apresentação retrata o período da Ditadura Militar


Grupo foi criado como um ambiente de aprofundamento dos conteúdos trabalhados em aulas de dança
Com intuito de trazer a reflexão artística e política aos palcos, o Grupo Corpore de Dança, do Sesc Piedade, traz, neste domingo (22), o Espetáculo “Cárcere”. A apresentação acontecerá no Teatro Luiz Mendonça, no Parque Dona Lindu, às 19h. A entrada é gratuita.

De acordo com a diretora do espetáculo, Ivana Motta, a apresentação é fruto de uma intensa e múltipla pesquisa de construção do corpo expressivo, da técnica contemporânea, do movimento e da cena.
“Esta montagem vem recolocar o Corpore, que já tem 16 anos de atividades, no cenário artístico pernambucano com uma apresentação intensa e reflexiva”, completou.
A apresentação retrata por meio da dança fatos históricos do período da Ditadura Militar, em 1964. Mas o espetáculo não fica no passado, atualiza as reflexões para os contextos atuais. O processo de criação, assinado pela diretora e Ivana Motta e pelos oito membros que compõe o Grupo, teve início em 2014, quando foram lembrados os 50 anos desde o golpe.
Serviço:Espetáculo “Cárcere”
22 de maio | 19h
Teatro Luiz Mendonça (Parque Dona Lindu)
Entrada Gratuita

Fonte: http://www3.folhape.com.br/cms/opencms/folhape/pt/cultura/noticias/arqs/2016/05/0290.html

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Concerto da Orquestra Criança Cidadã, na Itália, ganhará CD e DVD

O A Orquestra Criança Cidadã e a solista japonesa Yoko Kubo fizeram concerto na Basilica dei Santi Silvestro e Martino ai Monti / Leandro Lima/Divulgação
As imagens para o DVD foram todas captadas de uma vez, durante apresentação em Roma
O A Orquestra Criança Cidadã e a solista japonesa Yoko Kubo fizeram concerto na Basilica dei Santi Silvestro e Martino ai Monti
Leandro Lima/Divulgação
NATHÁLIA PEREIRA
A Orquestra Criança Cidadã (OCC) acaba de dar mais um passo na bela história que tem construído na última década. O grupo, formados por 47 jovens músicos da comunidade do Coque, entre 12 e 18 anos, finalizou o primeiro álbum produzido fora do país: um material duplo, com CD e um DVD gravados em novembro de 2015, em Roma, na Itália.
Concertos de Bach para Violino e Orquestra por Orquestra Criança Cidadã e Yoko Kubo registra um concerto aberto, realizado na Basilica dei Santi Silvestro e Martino ai Monti, composto por três obras para violino e orquestra do compositor alemão Johann Sebastian Bach, um dos maiores nomes da música clássica mundial.
A participação especial da solista Yoko Kubo, uma das violinistas de maior relevância atualmente, marca o segundo encontro entre os garotos e a instrumentista. Eles se conheceram por intermédio de Yasukaze Chaki, presidente da Bunkyo Gakki, maior fabricante de instrumentos de corda do Japão e parceira da OCC.
“Temos uma escola profissionalizante de Luthieria, na qual os alunos aprendem a construir instrumentos, uma das únicas três existentes em todo o Brasil. O senhor Yasukake se interessou por esse detalhe do nosso trabalho e nos apresentou a Yoko”, contou o maestro Nilson Galvão Júnior, regente da Criança Cidadã.


Após o primeiro encontro, Kubo, que é de religião católica, foi convidada para a apresentação realizada especialmente para o papa Francisco, em outubro de 2014, no Vaticano. “Foi a realização de um sonho dela também, que sempre quis se apresentar em uma catedral”, detalhou o maestro.
O processo aconteceu em quatro dias. As imagens para o DVD foram todas captadas em único dia, durante o concerto, com presença de plateia. Já o CD precisou dos cuidados da gravação em estúdio, com três dias intensos de trabalho. “Apesar da exigência por concentração, todos se ajudaram e cobraram dedicação uns dos outros. Fiquei muito feliz com o comprometimento e resultado final”, comemorou Galvão.
Os alunos já haviam passado por uma experiência parecida. Em 2010 eles participaram de um programa especial, veiculado pela TV Globo, intitulado Concerto para Gonzaga, no qual foram regidos pelo violoncelista italiano Vittorio Ceccantti. A ocasião também festejou os quatro anos de existência da OCC.


O material rendeu CD e DVD onde a obra do rei do baião, Luiz Gonzaga, é revisitada e celebrada pela OCC, à época comandada pelo maestro fundador Cussy de Almeida. “Mas dessa vez a responsabilidade é mais intensa, além de ser um palco maior, estavam numa importante basílica”, pontua Nilson Galvão Júnior.
O lançamento tem previsão para acontecer junto ao concerto oficial pelo aniversário de dez anos da Orquestra Criança Cidadã, com a presença de Yoko Kubo. O evento está marcado para o dia 2 de setembro, no Teatro Luiz Mendonça, Parque Dona Lindu, em Boa Viagem.

A caminho de se tornar uma sinfônica
O segundo semestre de 2016 será agitado para a Orquestra Criança Cidadã. Além do lançamento oficial do novo álbum, estão sendo organizados três importantes concertos que prometem explorar mais ainda o desenvolvimento técnico dos meninos. 
No dia 31 de outubro, fazem concerto temático de Halloween, que deve aportar também no Teatro Luiz Mendonça. 
Os festejos de Natal serão celebrados com uma apresentação na Igreja Matriz de Ipojuca, onde aconteceram os três últimos concertos natalinos do grupo. 
Já a longo prazo, a intenção é ampliar ainda mais o alcance do projeto. O maestro Nilson Galvão Júnior explica: “Estamos nos organizando para completarmos nosso corpo docente com professores de trompete e trombone, os dois instrumentos que faltam para sermos uma orquestra sinfônica”, conta. “Estamos terminando um ciclo importante e investindo mais ainda”. 
Os instrumentos de sopro que já fazem parte do conjunto - flauta transversal, oboé, clarinete, fagote e trompa -, serão refinados, junto à professores e estudantes, para mais tarde se juntarem ao trompete e ao trombone na nova formação. 


Se tudo acontecer como planejado, em até cinco anos a Orquestra Sinfônica Criança Cidadã virá ao mundo.

Fonte: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/musica/noticia/2016/05/15/concerto-da-orquestra-crianca-cidada-na-italia-ganhara-cd-e-dvd-235803.php

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Recifense não quer alterar o nome do Parque Dona Lindu

É esse o resultado de pesquisa de opinião sobre proposta de mudança no nome do Parque Dona Lindu, em Boa Viagem



Construído pela prefeitura, o Parque Dona Lindu é um projeto do arquiteto modernista Oscar Niemeyer / Foto: Diego Nigro/JC Imagem

Construído pela prefeitura, o Parque Dona Lindu é um projeto do arquiteto modernista Oscar Niemeyer
Foto: Diego Nigro/JC Imagem


Marcado pela polêmica e pela discórdia desde o início da obra de construção, o Parque Dona Lindu, na Zona Sul do Recife, mais uma vez é colocado na berlinda com o abaixo-assinado virtual que propõe a troca do nome da área de lazer para Parque Boa Viagem. Enquanto a petição on-line contava com 11.402 apoiadores nesta quarta-feira (11), pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau constatou que os recifenses são contrários à mudança.
De um total de 642 entrevistados, 95% já ouviram falar no parque, localizado à beira-mar de Boa Viagem. Desse universo, 60,1% responderam que já frequentaram o local e 46,6% sabem quem é Dona Lindu. Na opinião de 74,7% dos 46,6% que reconhecem Dona Lindu (Eurídice Ferreira de Melo) como a mãe do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, o parque não deve ter o nome alterado.
Apenas 9,5% dos que sabem quem é Dona Lindu concordam com a troca do nome, pelos seguintes motivos: o parque deveria homenagear alguém importante para o Recife ou Pernambuco; por causa dos escândalos e corrupções envolvendo o nome de Lula; é em homenagem à mãe do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; a mãe de Lula não fez nada por Pernambuco; sem história; porque é estratégia política; e porque deve homenagear o nome da cidade.O mesmo grupo sugere outras denominações para o parque – Boa Viagem, Eduardo Campos, Ariano Suassuna, Oscar Niemeyer, Mestre Vitalino, Miguel Arraes, Nossa Senhora da Conceição, Pelópidas Silveira e Beira-Mar. A pesquisa foi realizada em 3 e 4 de maio de 2016, por amostragem.

JC-CID0510_PESQUISA_WEBProjetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), o parque ganhou um memorial dedicado aos retirantes, do artista plástico Abelardo da Hora (1924-2014), numa referência à família de Lula. A primeira etapa foi inaugurada em 30 de dezembro de 2008, com a presença de Lula e sob protestos de moradores de Boa Viagem, que preferiam uma área verde. Na ocasião, o então presidente chegou a comentar: “Se, ao invés de uma mulher retirante e seus filhos colocassem uma aristocrata pernambucana, não teria havido protesto.”
JUSTIÇA
A construção do parque teve início em 2008 e terminou em 2011, após a Prefeitura do Recife enfrentar oito ações na Justiça. A obra custou R$ 37 milhões, valor considerado alto pela população, para uma cidade com tantos problemas sociais. A área de lazer ocupa um terreno de 33 mil metros quadrados que pertencia à Aeronáutica e foi cedido ao município pelo governo federal.
O Dona Lindu é composto de playground, pista para prática de cooper e skate, quadra poliesportiva, área para ginástica, Teatro Luiz Mendonça com capacidade para 587 pessoas sentadas e Galeria Janete Costa.
A petição on-line, sugerindo a troca do nome, está abrigada no site change.org, voltado para a criação de qualquer tipo de abaixo-assinado, desde 26 de abril de 2016. A meta é alcançar 15 mil assinaturas.

Fonte: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2016/05/12/recifense-nao-quer-alterar-o-nome-do-parque-dona-lindu-235298.php