sexta-feira, 29 de maio de 2015

Cidade Caiada entra em exposição na Galeria Janete Costa


José Paulo discute o ambiente urbano na mostra que fica em cartaz até 28 de junho. (Foto: Cortesia)
Uma forma de olhar para a cidade, a partir de pequenos e grandes objetos que fazem parte do nosso dia a dia. Essa é a proposta da exposição Cidade Caiada, do artista pernambucano José Paulo. A mostra entra em cartaz na Galeria Janete Costa, equipamento cultural da Prefeitura do Recife, no próximo dia 28 de maio, às 19h, na parte térrea do espaço. A entrada é franca ao público.

Na exposição, que conta com o apoio da Galeria Amparo 60, José Paulo aborda poeticamente relações sociais e subjetivas que produzem reflexões sobre os modos e as maneiras de habitar, ver, sentir a cidade, nosso lugar de viver, na contemporaneidade. O artista criou uma instalação utilizando várias peças de mobiliários de construção civil – bancos, mesas, armários, cavaletes, camas, lixeiras, birôs, escadas, entre outras. Esse conjunto de peças, que marcam a experiência comum de sociabilidade, sobretudo de homens, do mundo do trabalho foi adotado pelo artista.

A adoção desses “objetos” preserva intrinsecamente seu olhar atento para a cidade, que revela uma preocupação em relação ao ambiente urbano e a intensas modificações que esse espaço vem sofrendo por meio de ações de demolições e construções constantes e recorrentes. Outro dado a ser levado em consideração em relação ao processo de apropriação e ajuntamento dessas peças é seu caráter universal, ou seja, são “peças” que podem ser encontradas em qualquer espaço urbano que abrigue dinâmicas urbanas. A coleção guarda em si subjetividades, memórias, tipos de relações específicas das sociabilidades e do trabalho marcadas por uma experiência efêmera. Além de serem objetos, individualmente, reconhecíveis em qualquer parte do mundo.

Há tempos José Paulo vem desenhando imaginariamente essa instalação que reunirá no espaço da Galeria Janete Costa todos os objetos já citados. Essas peças serão todas dispostas no espaço expositivo formando a configuração de um trecho de cidade. Serão todos caiados e dispostos tanto horizontalmente quanto verticalmente. Como se fosse uma maquete urbana. Os objetos, individualmente, são geométricos e o artista pretende “brincar” com essa configuração visual e “montar” uma instalação se valendo dessa natureza das peças.

Ao caiar todas as peças, há uma intenção em trazer à tona os vários significados do verbo caiar e de suas demais derivações conceituais. Estratégia poética que se vale do uso de palavras e fragmentos de textos como em seu trabalho Repetir, repetir, repetir, Quimera, entre outros, já presentes em seu repertório de produções. Caiar, verbo transitivo direto, pode ser usado como pintar com cal diluída em água, só ou misturada com cola e/ou tinta; branquear, encobrir, velar, disfarçar, mascarar. Dessa maneira o ato de caiar as peças é simbólico e estético.

O artista - Nascido no Recife, José Paulo é formado em arquitetura pela Universidade Federal de Pernambuco. Dentre as linguagens que utiliza, estão a pintura, o desenho, a construção de objetos e esculturas em grandes formatos, além da aproximação com a fotografia e o vídeo. O artista vem lançando mão do uso de alguns materiais como o ferro, o barro, a cerâmica que entram na realização dos trabalhos de maneira operacional, experimental e conceitual.

Serviço:
Exposição Cidade Caiada, do artista José Paulo
Quando: de 28 de maio a 28 de junho de 2015
Onde: Galeria Janete Costa, Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, Recife.
Horário: Terça – grupos previamente agendados
Quarta à sexta das 12h às 20h
Sábados e domingos: 14h às 20h
Agendamento de visitas: educativojanetecosta@gmail.com
Informações: 81 – 3355.9831 / 3355.9832

Fonte: http://www2.recife.pe.gov.br/noticias/26/05/2015/cidade-caiada-entra-em-exposicao-na-galeria-janete-costa